quinta-feira, 30 de outubro de 2008

A gravidez na Artrite Reumatóide

As doenças reumáticas, principalmente as doenças inflamatórias crónicas do tecido conjuntivo, caracterizam-se pelo predomínio do sexo feminino e início em idade jovem. A Artrite Idiopática Juvenil é um exemplo destas doenças, mas outras também se podem iniciar numa idade fértil, tais como o Lúpus Eritematoso Sistémico, a Artrite Reumatóide, a Esclerodermia e a Dermatomiosite.

Estas jovens mulheres, por vezes exprimem a sua preocupação em relação a três aspectos: a fertilidade, a influência da gravidez na sua doença e a influência da doença e o tratamento na evolução da gravidez e no feto. Estes aspectos são, em seguida, discutidos de forma sucinta.


Fertilidade

As várias doenças reumáticas não afectam a fertilidade das jovens portadoras. Nos EUA, realizou-se um estudo em que os autores verificaram que 1/3 das mulheres com Artrite Idiopática Juvenil têm filhos por volta dos 20 anos, idade sobreponível à observada na população em geral.

Alguns fármacos utilizados no controle da doença podem interferir com a fertilidade. O principal exemplo é a ciclofosfamida. A insuficiência ovárica precoce tem sido descrita em 27 a 41 % das mulheres submetidas a este tratamento. Os factores de risco são a idade de início do tratamento, a dose cumulativa e o grau de supressão medular. A sulfassalazina pode provocar oligospermia no jovem submetido a este tratamento, mas é reversível logo após a sua interrupção.

Muitos dos aspectos reprodutivos estão dependentes da acção de prostaglandinas. O uso de anti-inflamatórios não esteróides no modelo animal induz infertilidade. Na literatura médica há alguns casos descritos de distúrbios da fertilidade relacionados com o uso de piroxicam, naproxeno e diclofenac. Estes desaparecem com a descontinuação do anti-inflamatório não esteróide. O uso de inibidores da COX-2 determina igualmente infertilidade, a qual é reversível após a sua suspensão.


Influência da gravidez na doença

A exacerbação da doença durante a gravidez é uma questão difícil de responder. Isto porque cada doente é um doente e cada doença tem o seu comportamento típico.

Antes de falar do comportamento da doença reumática durante a gravidez é importante relembrar que a gravidez induz alterações no corpo da mulher as quais permitem o desenvolvimento de um novo ser vivo, sem que ocorra um fenómeno de rejeição. Estas alterações são múltiplas, incluindo hormonais e imunitárias.

Cerca de 70% das mulheres com Artrite Reumatóide referem melhoria da artrite durante a gravidez. Esta se inicia durante o 1º trimestre e mantém-se durante toda a gravidez. Há por vezes remissão completa dos sintomas. Todavia a evolução pode ser flutuante e por vezes há necessidade de usar analgésico para alivio sintomático. Em mais de metade dos casos há recidiva no período pós-parto, nas oito semanas seguintes. Esta recidiva não é influenciada pela amamentação. Embora o grau de inflamação possa ser mais grave, comparativamente ao existente antes da gravidez, na maioria dos casos o quadro clínico é idêntico ao anterior. A doença tem um comportamento idêntico, em próximas gestações.


Influência da doença na gravidez

Durante a gravidez podem surgir complicações maternas, tais como: hipertensão gestacional, pré-eclâmpsia, s. Hellp. Na mulher com doença reumática

Na Artrite Reumatóide, na Artrite Idiopática Juvenil, nas Espondilartropatias, a evolução da gravidez é favorável, não havendo maior risco de complicações maternas comparativamente à população em geral. O compromisso grave das articulações coxo-femurais ou a existência de prótese articular poderá inviabilizar o parto por via vaginal, sendo necessário realizar uma cesariana.

Nestas jovens, principalmente na Artrite Idiopática Juvenil de início poliarticular ou sistémico e na Artrite Reumatóide, o compromisso da coluna cervical pode dificultar a realização de entubação oro-traqueal, no contexto de uma anestesia geral. Mas, todos estes problemas devem ser equacionados previamente à concepção, para se escolherem as melhores abordagem terapêuticas. Actualmente, muitas das cesarianas efectuam-se sob anestesia epidural, não havendo necessidade de recorrer à anestesia geral.


Influência da doença na gravidez - evolução fetal

Durante a gravidez podem surgir complicações fetais: aborto espontâneo, aborto tardio, nado-morto, atraso crescimento intra-uterino, prematuridade, malformações fetais e Lupus Neonatal.

Alguns estudos sugerem um aumento ligeiro da frequência de perdas fetais (aborto espontâneo, aborto tardio, nado-morto) na Artrite Reumatóide e na Artrite Idiopática Juvenil. No entanto, esta conclusão não é consensual. Deste modo, vários autores concluem que estas doenças não determinam complicações fetais.


Fármacos e a gravidez

Durante muitas das gestações de mulheres com doenças reumáticas há necessidade de usar fármacos para controlo da doença. É óbvio que por vezes surjam dúvidas em relação à sua continuação durante a gravidez, pelos eventuais riscos fetais.

Os anti-inflamatórios não esteróides (AINE’s) são os fármacos mais usados na prática clínica do reumatologista. Em experimentação animal está descrito um possível efeito teratogénico, que não tem sido referido na prática clínica. O seu uso não é isento de riscos, devido à sua acção na inibição da síntese das prostaglandinas, o qual pode determinar o encerramento precoce do canal arterioso, com persistência da circulação fetal, o prolongamento do tempo de gestação e do trabalho de parto. Há ainda o risco de hemorragia fetal e materna pela sua acção na função plaquetária. Deste modo, o seu uso deverá ser interrompido no último trimestre.

Os corticosteróides usados desde hà muitos anos, não se acompanham de malformações fetais. No entanto, está descrita a ocorrência de fenda palatina e lábio leporino no modelo animal. Na prática clínica não tem sido descrito quadros anómalos. O corticosteróide mais utilizado é a prednisolona. Este esteróide é metabolizado pela 11β dehidrogenase placentária no seu metabolito inactivo, não passando a barreira utero-placentária. Quando se pretende usar um corticosteróide que atravesse a barreira utero-placentária a escolha recai na dexametasona. O lupus neonatal com compromisso cardíaco é um exemplo desta situação. À autores que preconizam a monitorização da função da supra-renal e a exclusão de infecção em todo o recém-nascido cuja mãe esteve sob corticoterapia durante a gravidez. Na maioria das situações reumatológicas esta atitude é desnecessária, pois as doses efectuadas são de 5 a 10 mg por dia e sob esta dose não há aumento da incidência destas complicações na criança. Durante a gravidez a artrite pode ser controlada com corticosteróides administrados por via intra-articular.

Em experimentação animal o uso de sais de ouro associou-se a malformações do sistema nervoso central. Os estudos retrospectivos publicados não demonstram um aumento da incidência de malformações fetais. No entanto o seu uso deverá ser evitado porque atravessa a placenta.

A sulfassalazina atravessa a placenta, mas não parece determinar um aumento da incidência de anomalias fetais, pelo que o seu uso durante a gravidez pode ocorrer. No entanto, a melhoria clinica observada durante a gravidez nas mulheres com Artrite Reumatóide e Artrite Idiopática Juvenil pode permitir a sua suspensão.

Os imunossupressores estão contra-indicados durante a gravidez, nomeadamente a ciclofosfamida, o clorambucil, o metotrexato, a leflunomida, a D-penicilamina e a ciclosporina. O metotrexato é teratogénico e deve ser interrompido 3 a 6 meses antes da concepção. Durante este período a jovem mulher deve fazer um suplemento de ácido fólico para prevenir os defeitos do tubo neural. A azatioprina é um imunossupressor usado há muitos anos em algumas doenças reumáticas e que deve ser evitado. Este medicamento interfere na síntese das purinas e o seu uso pode associar-se com malformações congénitas, cromossómicas e distúrbios imunitários graves. Todavia, os estudos que analisaram o seu uso durante a gravidez não demonstram um aumento da incidência de malformações congénitas. Nestes estudos não foi avaliada a sua possível acção no sistema reprodutivo e no aumento da incidência de neoplasias.


Amamentação e doenças reumáticas

Os fármacos usados no tratamento das doenças reumáticas são excretados para o leite materno e daí alguns cuidados devam ser tomados para evitar a exposição do recém-nascido a estes medicamentos. Os medicamentos passam para o leite materno por difusão passiva, mas vários factores interferem neste processo: concentração sanguínea, solubilidade lípidica, grau de ionização e ligação às proteínas do leite.

Na escolha do AINE’s devemos ter em atenção a sua semi-vida e optar por aquele com um semi-vida mais curta, por exemplo o ibuprofeno. O diclofenac tem uma semi-vida curta mas o seu metabolito activo tem uma semi-vida longa. O AINE’s deve ser tomado no início da amamentação, assumindo que cada mamada tem uma duração de 20 minutos e que a próxima mamada será ao fim de 4 horas. Deste modo a criança fica exposta a uma dose mínima do fármaco.

O uso de corticosteróides é permitido desde que se escolha a prednisona, numa dose de 5 a 10 mg por dia. Doses superiores devem ser evitadas, pois a criança vai ter as complicações inerentes a esta terapêutica.

A sulfassalazina deve ser usada com precaução, apesar de excretada em pequena concentração. A sua ligação às proteínas poderá interferir com o metabolismo da bilirrubina. O seu metabolito, a sulfapiridina, é excretado no leite materno numa elevada concentração, mas ao contrário da sulfassalazina não interfere na ligação da bilirrubina às proteínas.
Os sais de ouro administrados por via intramuscular apesar de serem excretados no leite materno, cerca de 20% da dose, não são absorvidos pela criança. Mas têm sido descritos complicações na criança, daí devam ser evitados.

A D-penicilamina está contra-indicada. O metotrexato é detectado em pequenas quantidades no leite materno, mas não está indicado o seu uso durante a amamentação pelo risco de se desenvolver na criança várias complicações: imunossupressão, mielossupressão, distúrbios do crescimento e neoplasias. A mesma atitude se recomenda em relação à azatioprina.


Conclusão

A monitorização e vigilância periódica das grávidas com doença reumática, com intervenção atempada contribui para uma melhor evolução fetal e materna que se tem assistido nos últimos anos.

A gravidez nestas mulheres não deve ser desencorajada. Todavia a concepção deve ocorrer durante um período de remissão clínica.

Os recém-nascidos são tão saudáveis como as outras crianças, com a mesma idade gestacional e peso, não estando descrita uma maior percentagem de anomalias congénitas.

É importante não esquecer que uma criança requer muitos cuidados os quais podem aumentar o cansaço e a dor articular subjacente à doença reumática.
Uns períodos de repouso adicional e a ajuda de terceiros ajudam a ultrapassar este obstáculo.

Autora: Drª Maria Manuela Costa - reumatologista
Para ver o artigo completo clique aqui.

47 comentários:

Marcia disse...

Seu artigo me encorajou muito. Muito obrigada. Espero conseguir realizar meu sonho.

Anónimo disse...

Sou protadora de artride idiopatica juvenil desde os meus 7 meses de iadade. Neste momento estou garvida de 27 semanas e desde que soube que estava gravida as minhas dores passaram ate porque nao tomo qualquer medicamento para a artrite.A minha beatriz tá bem e a minha obstetradiz que a bia está a evolir bem.Se Deus quizer vai correr tudo bem.Muito obrigada pelo artigo

Ju Sartore disse...

Fiquei muito contente em encontrar todas essas informações no blog. Estou pensando em engravidar e agora já posso discutir melhor com o meu médico o assunto. Gostaria de ler mais sobre o assunto. Tenho dúvidas tb sobre tratamento de homeopatia para artrite. Existe? Bj

claudia disse...

Apos 7 ANOS CONSEGUI ENGRAVIDAR ESTAMOS EM CONSTANTE ALEGRIA POIS FOI UM LUTA ARDUA ,TENHO 33 anos,tenho artrite reumatoide a 9 ANOS ,ESTOU DE 5 semanas.SE DEUS quizer vai correr tudo bem pois esse bebe e muito esperado, estou muito apegada a nossa SENHORA APARECIDA pois foi ela que me concedeu essa graça beijos para todos e boa sorte.

Anónimo disse...

Seu artigo me deu forças para olhar o futuro sem medo. Espero vir a realizar meu sonho. Precisava dessas informações, obrigada pelo seu artigo.

Anónimo disse...

Fiquei muito feliz ao ler o artigo,deu-me mais esperança os depoimentos, o meu grande sonho é ser mãe, agora estou partindo em busca desse sonho, suspendi os medicamentos que podem prejudicar na concepçao e vou tentar engravidar, estou sendo acompanhada por um reumatologista e tenho fé que terei meu filho

Artrite Idiopática...( portatores) disse...

Quero saber sobre a gravidez,
em uso de Enbrel(ETARNECEPTI)
tenho artrite dez de os 13 anos
a raramente fico fora de atividade tenho muito medo de não poder ser mãe...
gostaria me desse essa informação..
e se possivel entrasse no meu blog
http://www.artriteidiopaticaportadores.blogspot.com/

bjo muito obrigada...

Priscila disse...

Parabéns!! Muito boa essa matéria. Estava precisando dessas informações.
Sou portadora de artrite reumatóide juvenil desde os dois anos e meio, e agora tenho 26. Uso atualmente o Embrel, mas estou com receio de chegar a engravidar e o bebê ter complicações. Boa sorte a todas!! Q Deus nos abençoe!!" Beijinhossss

Daniela disse...

Obrigada pelo artigo. Tenho 35 anos e há tempos venho discutindo c/ meu reumato sobre a possibilidade de engravidar e ele sempre me desencoraja. Recentemente troquei de médico e vamos tentar o tratamento biológico. Queria saber se posso engravidar fazendo uso do Humira ou se esse tratamento tb é arriscado para o bebê? Obrigada

Anónimo disse...

tenho artrte desde os 7 anos de idade...hoje cm 26 anos estou na minha primeira gravidez.fiquei um pouco assustada qndo descobri pois ñ foi planejada.a artrite esta controlada e hoj cm 8 meses e meio me preparo para o nascimento da JULIA VITORIA .foi um pouco dificil mais ñ impossivel...e q deus abençoue para q o parto seja tranquilo....

Anónimo disse...

tenho 20 anos e tenho artrite reumatóide,descobri a mais de 2 anos.quero ser mãe,mas tenho muito medo de me frustae...muito bom o artigo...parabens!

Anónimo disse...

Eu tenho artrite reumatoide a 8 anos, faço tratamento em goiania, e alem de varios comprimidos que tome, de 2 em 2 meses tomo uma medicação (infliximab), tomo no soro que tbem é corticoide.
Mas gostaria de saber se tem possibilidade de me engravidar, ja tenho 2 filhos lindos, mas o meu marido não tem filhos comigo.
E eu não tomo remedio para evitar gravidez. E pode ate ser que não engravido pela minha idade, tenho 41 anos. queria uma resposta.

Anónimo disse...

tenho artrite reumatoide desde os 13. agora tenho 20 anos e minha preoculpaçao eh na formaçao do meu futuro bebe. fico feliz em ver os outros depoimentos. sei que nao estou sozinha nessa luta. beijo a todas as meninas. SOMOS GUERREIRAS!

andrea disse...

Olá, obrigado pelos incentivos. Estou com artrite reumatóide há 5 anos. Meu joelho ficou muito ruim. Fiz uma cirurgia com células-tronco do meu corpo para repor a cartilagem do joelho esquerdo. A doença está bem controlada. Agora estou pensando em engravidar e estou muito confiante que tudo irá dar certo. Muito Obrigada

Consultora Educacional disse...

Gosto muito dos artigos de ótima qualidade do seu Blog. Quando for possível dá uma passadinha para ver nosso Curso de Informática Online. Daienne.

Anónimo disse...

Olá, tenho 27 anos e tenho artrite reumatoide a 26 anos... meu sonho era de ser mãe, com muito custo engravidei apos uma FIV, mas apos 2 meses perdi meu bebê. Ele estava bem desenvolvido, uma gracinha e o coraçãozinho parou de bater. Fico me perguntando o porque??? ainda não tenho respostas... meu G O afirmou que perdi meu bb porque tenho artrite, meu reumatologista já não concorda com ele. Estou confusa sem saber o que faço agora, se tento uma nova gravidez ou se abandono esse meu sonho... me ajudem por favor.

Daniela disse...

Anônima do dia 29/04, acontece muitos casos de perder o 1º bebê mesmo em mães sem artrite, não pense que é por causa da doença, tente de novo!!! Tenha esperança! Estamos todas na luta!!!
Boa sorte!!!

Letícia disse...

Tenho artrite reumatóide desde os 14 anos...hoje estou com 23 anos e penso em ficar gravida daqui uns tempos, e seu artigo me deixou muito contente!!! Já havia conversado com meu reumato sobre isso e ele havia explicado que poderia engravidar e continuar o tratamento, mas a gente procura mais informações para tranquilizar mais ainda...obrigada pelas informações!!!

kelly guedes disse...

Meu nome é Kelly, tenho 36 anos e a 20 anos faço tratamento de artrite reumatóide. Gostaria muito de poder engravidar!!! Mas... tenho medo, devido a medicação. Entre as medicações que uso as mais fortes são: ARAVA, METOTREXATO E FÓRTÉO(uma injeção para osteoporose que usarei durante dois anos). Espero poder realizar meu sonho. Obrigada!!!

Anónimo disse...

Tenho 28 anos e há 11 convivo com a artrite reumatóide. Meu ginecologista diz que é arriscado engravidar, pois com a gravidez as dores aumentam,já a reumatologista diz que é possível, basta trocar alguns medicamentos. Eu já não sei em quem acreditar e estou muito triste com essa situação.

Marta Cunha disse...

Nunca percam a esperança! Procurem um médico que vos ajude a concretizar o vosso sonho de ser mães. Visitem este blog que pode ser que vos ajude, pelo menos que vos inspire: http://curassecretas.blogspot.com/

Desejo-vos a todas muita força!!! Eu também vou continuar a perseguir o meu sonho.

Andrea disse...

hola.tenho 36 anos e faço tratamento d artrites reumatóide a 4 anos.(arava e humira)estou pensando em engravidar,más ao mesmo tempo tenho medo de nao suportar a gestaçao por dores e causar algum problema ao feto.por que sei q tenho que tomar outra medicaçao mais suave durante a gravidez.boa sorte p/todas.

Andrea disse...

hola.tenho 36 anos e faço tratamento d artrites reumatóide a 4 anos.(arava e humira)estou pensando em engravidar,más ao mesmo tempo tenho medo de nao suportar a gestaçao por dores e causar algum problema ao feto.por que sei q tenho que tomar outra medicaçao mais suave durante a gravidez.boa sorte p/todas.

juliane disse...

dr eu eu ingravidar tomandos metrotexato, predinisona,naproxeno corro o risco de ter um filho c deformaçoes ??

Anónimo disse...

Tenho Artrite Reumatóide Juvenil desde meus 2 anos e 7 meses de idade. Fiquei com deformidades nos joelhos, nos pés, mãos e pescoço. Ando, mas ao me locomover minha coluna realiza uma curvatura acentuada, por causa dos joelhos que não se esticam. Hoje aos 23 anos sou uma mulher bem resolvida pessoal e profissionalmente. Não tenho nenhum tipo de problema com a minha deficiência. Só tinha dúvida, se eu poderia ter uma gestação normal. Ao ler este blog,pude perceber que posso engravidar normalmente, mediante ao meu acompanhamento médico.

cristiane disse...

meu nome é cristiane tenho artrite reumatoide desde 2009 e tomo hidroxicloroquina, predinisona, meloxican, famotidina. engravidei agora no mes de junho e so fiz o exame em setembro para confirmação da gravidezfiquei hiper feliz com o resultado mas no ultimo dia 10/10 eu fui fazer a ultrason e o meu bebê estava morto estava com um aborto retido eu acho q foi porq eu tomei o remedio durante o mes de julho agosto sem saber q estava gravida mas o medico disse q posso engravidar mas tem q ser uma gravidez planejada.

Graziele disse...

Meninas já somos guerreiras só por enfrentarmos uma doença tão difícil e incerta. Tenho artrite desde os 2 anos. Hoje Tenho 26anos. Já fiquei meses sem andar. Mas graças a Deus a 7anos não tomo nada para artrite. Hoje estou completando 15semanas de gravidez. Estou no começo. E posso dizer que não é fácil. As dores são inevitáveis. Mas toda a dificuldade some quando se tem a alegria de ver seu bebê mexer, o coraçãozinho bater. Eu pensei muitas vezes em desistir. Mas hoje sou uma mãe super feliz. Meu futuro e do meu bebê, ainda não sei. Mas vivo o hoje intensamente. E acima de tudo confio em Deus. Nunca desistam. Pq se Deus nos dá a oportunidade de engravidarmos, ele nos dará a força para gerar. Que Deus abençoe a todas nós.

flaviane disse...

bom meu nome é flaviane, tenho artrite há 14 anos hoje tenho 23, meu sonho é ser mãe, peço sempre a DEUS por essa benção e sei q ele vai me ajudar fiquei bastante confiante depois que vi este blog, vamos mulheres,força estamos aqui pelo mesmo motivo... bjs a todas!!

Raquel disse...

Olá amigas com artrite... este ano faço 40 anos, e tenho artrite desde os 5 anos. Sempre tive o sonho de ser mãe, mas tinha muitas dúvidas se seria possível, por causa da artrite,mas, ao ler seus comentários vejo que não estou sozinha nesta luta.Este é um sonho possível para todas nós!!! Me sinto muito encorajada depois de ler este artigo e motivada por suas opiniões. Que Deus nos abençõe a todas nós que desejamos tanto realizar este sonho. bjus.

Genailde disse...

Olá sou portadora de artrite reumatoide a 5 anos, tenho 20 anos e sonho em engravidar , e meu esposo tbm sonha em ser pai, já estava perdendo as esperanças, mas agora com esses depoimentos me encorajei bastante!!! muito obrigado e boa sorte pra todas nessa caminhada...

Anónimo disse...

oi meu nome é marisa,gostaria de deixar meu testemunho.hoje eu tenho 34 anos e tenho artrite ha 11anos,e ha 4 anos atras engravidei antes falei com a minha reumatologista e tive que parar de tomar os remedios durante 6 meses eu so tomava antiflamatorio fraco quando precisava,foi dificil por causa da dor ,mas só de saber que voce tem um bebe tão desejado isso supera qualquer dor que possa ter,levei minha gravidez com muita fé em Deus em quem me apoio até hoje,minha filha nasceu de oito meses,e foi a maior benção que recebi na minha vida, foi dificil depois do parto tive hemorragia e a doença voltou com força mas não desisti hoje minha filha esta com 3 anos,saudavel e bonita estou feliz por essa vitória, por isso não desista tenha fé que você vai ser mãe e siga a orientação do seu médico um abraço

Anónimo disse...

Sou portadora de artrite reumatóide há 3 anos, tenho 44 anos e devido uso de algumas medicações tenho hipertensão... gostaria de ser mãe, vc acha que isso seria possível? Sei que seria gravidez de risco, mas, gostaria de sua opinião... o que acha?

Adriene disse...

Ola meu nome é Adriene, fui diagnosticada artrite reumatoide novembro de 2011, faço uso de prednisona, paracetamol e metotrexato, tenho 30 anos e tenho filho d 13 anos, mas meu esposo nao tem filhos e tem desejo de telo, eu tambem queria muito, hoje fui na GO e ela disse que posso engravida sim, mas minha reumatologista diz que nao, estou um pouco confusa, mas me animei muito lendo seu blog, fiquei mais confiante, vou tentar conversar com outro reumatologista pra ve o que ele diz. muito obrigada pelo artigo, tenho certeza que ajuda muita gente com o mesmo problema. bjsss e que Deus nos ajude nessa luta.

Vanessa disse...

Olá, tenho 17 anos, faço 18 esse ano e tenho artrite reumatóide desde os 6 anos, ou seja, sou portadora da doença a quase 12 anos. É muito ruim conviver com isso, pois temos nossas limitações, mas não impede de vivermos a vida e sermos feliz. Eu já tomei até 7 tipos de remédios por causa da artrite. Eu só tenho medo, de não poder engravidar quando eu quiser ter meu filho, devido o corticóide(prednisona)e outros que eu sempre tomei. E o meu sonho e do meu namorado é termos um filho, não agora, mas no futuro siim. E esse artigo me mostra que eu não sou sozinha nesse sonho. Forçaas mulheres, vamos a luta, pq se Deus nos deu isso , é pq ele sabe qe temos a capacidade de vencer. Ele nunca dá uma missão, a qual não podemos cumprir.
Torço por nós todas que temos esse lindo e grande sonho.

Bjos

Lidia Morena disse...

Olá, tenho 38 anos e sou portadora de artrite reumatóide desde 2002. Já sou mãe de um menino e uma menina, já adolecentes. Porém meu sonho era ter um terceiro filho com meu atual marido que é louco pra ter um menino e não temos nem um juntos. Porém tenho muito medo de engravidar e meu filho nascer com deformações, pois meu médico me falou que eu corro esse risco. Eu tomo apenas Arava e Predinisona, minha artrite é bem controlada e não tenho nenhuma limitação, graças a Deus. Só queria poder engravidar sem correr nem um risco pra criança. Como prodecer? Me ajudem!!

Ana Carolina Aparecida Barbosa disse...

Oi, meu nome é Ana Carolina, tenho 20 anos e fui diagnosticada com AIJ aos 4 anos de idade... Eu tenho mta essa peocupacao!! Meu medico tbm disse qe AIJ causa algumas perdas de memoria, qe nao posso ficar mto ao sol e qe nao posso tomar anti-concepcional. Tinha mto medo dos remedios me causarem infertilidade. Gostaria muito de me conresponder com pessoas qe tambem passam por isso. Meu e-mail é rol.carol@ig.com.br

Anónimo disse...

Boa tarde, tenho 33 anos um filho de 12anos ja tinha desistido de ter outro filho, mas estou suspeitando disso pode ser psicologico vou fazer o teste mas tenho medo de dar positivo e meu bebe nascer c ma formaçao. Devido nao ter programado entao sem parar de tomar enbrel. Alguem engravidou tomando a medicaçao, me ajude

Anónimo disse...

meu nome é taty estou muito grata a deus pois sou portadora de artrite reumatoide eu me tratava com humira e estou no quinto mes de gravidez nao desiste do seu sonho esperei 10 anos e jesus me abençuou do mesmo jeito que pode abençuar quem nele cre

Anónimo disse...

Olá, eu tenho artrite reumatóide e diabetes, duas doenças bastantes delicadas. Estou grávida de 10 semanas, me preocupo porque descobri a gravidez com 2 meses e ainda fazia o uso do arava(leflunomida) e humira. Mas Deus é pai, meu bebê vai chegar com muita saúde. Eu creio!

Anónimo disse...

Olá,
Sinto dores no corpo e articulações há aproximadamente 10 anos.... há 6 anos fui diagnosticada com artrite reumatóide.No mesmo ano, engravidei do meu primeiro filho e, um ano e meio após o seu nascimento, engravidei da minha filha.
Ambos nasceram com muita saúde!
Tenham fé que tudo dará certo!!

Anónimo disse...

Oí, acredito que estou um pouco atrasada no meu comentário, mas só agora procurei saber mais sobre essa doença desagradavel que é artrite reumatóide. Tenho 37 anos e a tres sofro com a doença, mas antes de descobrir o que tinha sofri com dores horriveis, cheguei a emagrecer 10 kilos em tres meses, tive depressão e anemia, demorou mas encontrei um reumo bom que me devolvesse a alegria de viver, pois por vezes pensei que ia morrer sem entender o que me acometia. Hoje vejo que não sou a unica, me sinto aliviada, não por saber que existem outras como eu, mas por ter pessoas que vão me compreender, pois o pior da minha doença foi não encontar compreenção a minha volta. Espero que assim como eu todos tehnam histórias de vitória para contar. Que DEUS nos ilumine sempre, nos que força para resistir, compreenção para entender, e mais alegria de viver. bjs.

Anónimo disse...

Katia,

Tenho 33 anos e a 10 anos tenho Artrite Reumatóide, já coloquei próteses no quadril e os meu joelhos já estão bem gastos, acredito que não vai demorar muito p/ colocar protese nos joelhos tbm...enfim, meu sonho é ser mãe, penso nisso todos os dias é tudo o quero na minha vida, em set/2012 fiz uma I.A. (pq não estava aguentando ficar sem os remédios, então esse foi o jeito mais rápido) porém não consegui engravidar e como as dores estavam muito forte tive que voltar tomar o Metrexato, agora eu não sei mais o que eu faço...eu só quero ser mãe e não consigo pq não consigo ficar sem tomar os remédios, se paro de tomar os remédios eu travo na cama, então eu tô tomando...mas não vou desistir nunca de ser MÃE.

Glaucia da Cunha Melo disse...

Boa Tarde! tenho Artrite Reumatóide há 10 anos, tomo Arava, mas gostaria muito de engravidar novamente, sempre quis ter outro filho, agora a vontade ficou maior pois perdi meu filho há 5 anos, não para substituí-lo ... mas para um renovo pra mim. e seu artigo me deu mais ânimo ... Espero realizar meu sonho.

Anónimo disse...

oi, tenho 31 anos e tenho AR desde os 17 anos, hj faço uso de hidroxicloroquina, quero ter um filho mas tenho medo de que ele tenha uma sequela por causa do remédio. minha medica disse q preciso parar de tomar esse remédio 6 meses antes de querer engravidar, mas mesmo assim tenho medo. Alguém sabe se é isso mesmo? Abs à todas e fé em Deus.

Nathalia disse...

CUIDADO MÃES - DIMINUIÇÃO DO LÍQUIDO
Tenho 28 anos e diagnóstico de Artrite Reumatóide ha 6 anos, razoavelmente controlada. Engravidei sem nenhuma dificuldade, mas meu quadro foi contrário ao esperado, o de Remissão da doença. Após ficar sem os medicamentos no primeiro trimestre tive uma forte crise. Me foi inserido o antiinflamatório esteroidal (Nimesulida), que me causou Oligoidramnio Absoluto (diminuição do líquido amniótico a nível quase zero. Graças a Deus conseguimos reverter o quadro do Oligoidramnio e da Restrição de Crescimento cessando o uso do medicamento...a Clara está prestes a nascer, pequena mas dentro de todos os padrões de normalidade. Estou com a Artrite controlada por antiinflamatório não esteroidal (Prednisolona 5mg). Foi um grande susto que poderia ter sido evitado.

Anónimo disse...

ola , meu nome é jandira, tenho artrite desde os 7 anos de idade e sofria muito com as dores durante 5 só aos 12 anos fui diagnosticada o artrite reumatoide juvenil hoje estou com 29 anos e nunca tive relações sexuais porque mulher com esse problemas é um pouco difícil se relacionar nesse sentido por isso sempre evitei namoros e Isso, pois agora só quero ter um filho e não sei como resolver isso , apesar de ter algumas sequelas faço tudo normalmente essa parte é a mais complicada, o problema nem é se posso ou não engravidar porque isso eu sei que posso mas ta muito difícil resolver essa questão, e outra é se eu engravidar o naprosin (naproxeno) que tomo pode causar problemas ao bebe?

Andressa Sharon disse...

Olá, tenho 31 anos e AR há 4 anos. Engravidei em 2011 aos 29 anos. Antes de engravidar conversei com o reumatologista e fomos "desmamando" meu organismo dos medicamentos e engravidei tomando apenas 5mg de prednisona + 150mg de cloroquina, não tive problemas, sem dores fortes na gestação, somente algumas suportáveis, principalmente no quadril e costelas.
Amamentei normalmente até os 10 meses (parei por dificuldades em amamentar e trabalhar) e minha bebê nasceu perfeita.
Agora em 2013 minha filha está com 1 ano e 2 meses e estou grávida de 4 meses. Estou com muitas dores e enjoos. Tive de dispensar a empregada por dificuldades financeiras e ficar com uma diarista 2x na semana, acho que como estou tendo de cozinhar e lavar, as dores se intensificaram por este motivo.

Apesar dos riscos e medos, acredito que todas devem tentar ter um filho, pois é uma alegria indescritível. Aconselho apenas que, se possível, consigam uma pessoa para ajudar com as tarefas da casa, pois verifico que minhas dores aumentam com o esforço, por isso eu tento fazer repouso ao máximo e não me importar com a bagunça da casa.
E os medicamentos não atrapalharam minha fertilidade, engravidei as 2x na primeira tentativa. Por isso não desistam.
Boa sorte!!!